29 jun

Conaq e Ecam promovem lançamento de estudo socioeconômico realizado em quilombos da Amazônia Legal

Maryellen Crisóstomo – Ascom Conaq

Após percorrer seis Estados da Amazônia Legal e 107 quilombos, os Programas Novas Tecnologias e Povos Tradicionais e Compartilhando Mundos encerram mais uma etapa. Estava previsto para acontecer no período de março a setembro de 2020, o retorno às comunidades para fazer a devolutiva dos produtos e incidências políticas, mas nesta etapa, o projeto contará com o lançamento on-line em decorrência da Pandemia da COVID-19. O webinar de apresentação dos dados dispostos na publicação: Quilombos e Quilombolas na Amazônia – Os desafios para o (re)conhecimento (PDF), vai acontecer na próxima quinta-feira, 02, às 15h com transmissão pelo facebook da Conaq.

Os programas capacitaram e disponibilizaram ferramentas para que os quilombolas desenvolvessem o levantamento dos dados dentro da própria comunidade. “Uma experiência de sucesso, além de ter revelado dados que, sem eles, ficaria muito mais difícil. Portanto, a nossa expectativa é de que a gente possa ampliar ações como essas para outras regiões do Brasil” avalia Givânia da Silva, sócia-fundadora da Conaq.

O Programas, em atuação junto às comunidades retratadas na publicação, são “frutos da união entre a Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam), USAID, Google Earth Outreach e  a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq)” ressaltou Meline Cabral, coordenadora de execução dos Programas pela Ecam.

Foram contemplados quilombos dos Estados do Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Tocantins.

Chagas Souza, quilombola do Piauí e que acompanhou a execução dos Programas pela Conaq,  destaca que essa iniciativa proporcionou o engajamento das comunidades com o uso das tecnologias. “Foi um divisor de água muito importante na vida do território quilombola por apresentar via o uso de ferramentas tecnológicas o fortalecimento da comunidade quilombola”, pontua Souza.

Celenita Gualberto, que foi mobilizadora dos Programas no Tocantins, lembra que a iniciativa abrangeu 07 quilombos da Região Sudeste do Estado. “Condensamos dados que posteriormente foram confrontados em oficina onde as próprias comunidades legitimaram a origem dos dados e discutiram o porquê de cada realidade. Os dados trouxeram ganhos científicos porque a partir deles nós conseguimos analisar a conjuntura das comunidades que sem esses dados, seria impossível fazer. Outro benefício, é histórico, quando deixamos de ser pesquisados e nos tornamos pesquisadores dentro do projeto.” enfatiza Gualberto.

Tendo em vista o cenário da Pandemia da COVID-19, a primeira atividade desta fase de lançamento da publicação vai ser realizada on-line. “Chegou a hora de você conhecer o resultado desses três anos de muito trabalho e suor”, ressalta Meline.

O webinar vai contar com a participação de representantes da Conaq, Ecam e um especialista em infectologia.

Acesse a Publicaçaõ: Quilombos e Quilombolas na Amazônia – Os desafios para o (re)conhecimento (PDF) 

Assista ao vídeo de lançamento

Leia mais sobre a trajetória do Projeto

O QUILOMBO SE ESTUDA: OFICINA DE ANÁLISE DE DADOS SÓCIOECONÔMICOS E DE MAPEAMENTO SERÁ OFERTADA PARA QUILOMBOLAS DA RESEX QUILOMBO DO FRECHAL DO MARANHÃO

Capacitação em análise de dados socioeconômicos chega às comunidades quilombolas do Amapá

Uma fotografia mais próxima da realidade: o programa Compartilhando Mundos e a análise de dados protagonizada pelos quilombolas

OFICINA COMPARTILHANDO MUNDOS REALIZADA COM SUCESSO PARA QUILOMBOLAS DE MATO GROSSO

Comunidades quilombolas do Tocantins participam da oficina do Programa Compartilhando Mundos

Comunidades quilombolas de Rondônia validam e complementam dados do questionário socioeconômico junto ao Programa Compartilhando Mundos

O Estado do Pará recebeu a última oficina do Programa ‘Compartilhando Mundos’

 

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Instagram