08 ago

Seminário Ancestralidade e Sustentabilidade da Mulher Negra tem participação Quilombola

Iniciou ontem, dia 07 de agosto de 2018, e irá até o dia 09 deste mês, o Seminário Ancestralidade e Sustentabilidade da Mulher Negra: Violência, Violação de Direitos e Emancipação.

O evento é promovido pela SEPPIR e pelo Ministério dos Direitos Humanos-MDH.

Uma centena de mulheres negras entre militantes, matriarcas de religiões de matriz africana, quilombolas, acadêmicas e demais profissionais estão reunidas para discutirem temas como : Violência contra as Mulheres Negras; A importância da Ancestralidade e os conhecimentos da matriz africana para uma nova e melhor educação civilizatória da sociedade; O problema da violência e racismo institucional na vida das pessoas negras e especialmente das mulheres; A necessidade das Políticas Afirmativas para a construção de uma situação de vida menos desigual para as mulheres negras.

As quilombolas Juliana da Silva Vaz, do Quilombo Araça/Cariaca, de Bom Jesus da Lapa-BA e Aparecida Mendes, do Quilombo Conceição das Crioulas, de Salgueiro-PE estão presentes no evento representando a CONAQ e as demais comunidades quilombolas. Juliana e Aparecida vão apresentar para a mesa a necessidade de se garantir que a educação escolar contemple conteúdos essenciais das culturas de matriz africana e quilombola, especialmente em territórios étnicos como os quilombos, tem que se fazer valer a educação quilombola que é nossa base ancestral de compreensão e socialização no mundo. A escola formal deve agregar os conhecimentos tradicionais.

Da esquerda para a direita: Aparecida Mendes e Juliana Vaz, quilombolas representantes da CONAQ

Juliana Vaz e Aparecida Mendes em participação durante o Seminário.

A quilombola e integrante de religião de matriz africana Bernadete Pacífico, do quilombo Pitanga dos Palmares-BA, também está presente. Além do tema da educação, as quilombolas irão discutir sobre as estratégias das mulheres quilombolas para o enfrentamento às violências por elas sofridas e ainda pretendem fazer uma crítica quanto a aplicabilidade da lei Maria da Penha nos quilombos e a omissão do Estado em diversas situações.

O seminário ainda conta com a participação de Mãe Sebastiana de Oxóssi e Pai Antônio de Omulu, casal ancião que sustenta os valores quilombolas, do Congado e a Umbanda em seu quilombo Carrapatos da Tabatinga, em Bom Despacho, Minas Gerais. Dona Sebastiana é uma liderança nacional e foi reverenciada durante a abertura do evento. No alto de seus 86 anos de vida, e 75 de luta, como se apresenta, saudou a todos com uma linda canção de seu quilombo que emocionou a plenária.

Mãe Sebastiana cantando e saravando a plateia durante o Seminário Ancestralidade e Sustentabilidade da Mulher Negra

*Texto, vídeo e fotografias: Ana Carolina Fernandes – Assessoria de Comunicação Conaq