31 jul

Jovens Quilombolas Kalunga recebem a Oficina do aplicativo Google Open Data Kit –ODK

Entre os dias 21 e 22 de julho, aconteceu a oficina de Open Data Kit-ODK no território quilombola Kalunga, Estado de Goiás, um dos maiores territórios quilombolas do Brasil.

Jovens quilombolas moradores de diversas comunidades pertencentes ao território se reuniram na sede da Associação Quilombola Kalunga-AQK, na cidade de Cavalcante, para participarem do curso durante todo o dia de sábado e domingo. Uma imersão que os possibilitou serem capazes de compreender e executar a programação de questionários na base do aplicativo Google ODK. De maneira complementar, os alunos também aprenderam a formular questionários no programa Excel, que é a ferramenta utilizada para criar planilhas de dados, um auxiliar importante para a programação dos questionários.

Cerca de 30 jovens Kalunga participaram da formação. Também estiveram presentes durante todo o curso lideranças da comunidade como o presidente da AQK Vilmar Costa, e lideranças quilombolas de outros estados, convidados pela CONAQ que é parceira da Equipe de Conservação da Amazônia-ECAM na execução de cursos sobre aplicativos de pesquisa do Google, como o ODK e o Google Terra.

Oficinas de formação como a que aconteceu em Kalunga para a juventude quilombola têm ocorrido em outras comunidades quilombolas do Brasil através desta parceria entre CONAQ e a ECAM através do projeto Novas Tecnologias e Povos Tradicionais (Compartilhando Mundos), o financiamento para a execução do projeto vem a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional-USAID.

“Será muito bom o quilombo ter informações atualizadas em suas mãos. O próprio quilombola mesmo vai ser o responsável por levantar essas estatísticas, é sempre pessoas de fora que vêm e nos traz, mas agora não. Desta vez é a hora de os próprios quilombolas levantarem essas estatísticas e as coisas que acharem importante. ”  Damião dos Santos, Quilombola Kalunga.

“Hoje em dia as comunidades estão bem mais envolvidas, cada vez mais os jovens vêm buscando a tecnologia. Nós buscamos os cursos para ter conhecimento e também repassá-lo para os próximos, para não ficar só com um. Eu acho que com o curso que a gente recebeu nós conseguimos sim construir um questionário para a gente fazer as pesquisas em nossos quilombos; pra gente descobrir nós mesmos os nossos quilombos cada vez mais”. Adriano Paulino, Quilombola Kalunga.

Esta foi a primeira etapa da oficina de formação dos jovens quilombolas Kalunga nas metodologias de programação do aplicativo ODK e do programa Excel. Outras etapas de aprofundamento acontecerão em Brasília até o final do ano na sede da ECAM.

*Fotos e texto: Ana Carolina Fernandes, assessoria de comunicação Conaq.