10 set

Jovens quilombolas de Rondônia são os mais novos capacitados para utilizarem as ferramentas da Google para conhecer seus territórios

Entre os dias 31de agosto a 02de setembro, jovens quilombolas do estado de Rondônia estiveram reunidos na Comunidade Quilombola Santo Antônio do Guaporé para cursarem as oficinas de capacitação nas ferramentas de pesquisa Google: ODK- Open Data Kit e Google Earth (traduzida como Google Terra). Ao total, 31 pessoas de 6 quilombos diferentes participaram do curso e agora estão preparadas para utilizarem na prática os métodos de pesquisa que aprenderam, assim como replicar e ensinar outros companheiros quilombolas sobre as ferramentas.

Turma do cursos Novas Tecnologias em Rondônia

O curso sobre ODK ensinou aos alunos como construir e aplicar questionários de pesquisa de tópicos qualitativos e quantitativos. Mais do que simples aplicadores, os participantes do curso agora possuem um conhecimento técnico sobre a ferramenta e suas potencialidades, podendo assim desenvolver seus próprios questionários além de pensar em pesquisas que possam ser interessantes para o autoconhecimento e desenvolvimento de seus quilombos.

Foi apresentado para os cursistas o questionário socioeconômico desenvolvido pela CONAQ-Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas com assessoria da ECAM- Equipe de Conservação da Amazônia que tem sido aplicado em todas as comunidades quilombolas que fizeram o curso de ODK. Além de aplicarem o questionário socioeconômico elaborado pela CONAQ, os cursistas são incentivados a pensarem em outros questionários que possam ser construídos levando em consideração a realidade e demandas especificas de cada comunidade quilombola.

Cursistas testando o aplicativo ODK

Os alunos que fizeram o curso de Google Terra aprenderam técnicas de mapeamento geográfico de seus quilombos. Estão capacitados a localizarem através do aplicativo Google Terra localidades que tenham interesse e fazerem demarcações diversas, desde o polígamo de extensão de seus territórios até pontos internos mais detalhados como áreas de pesca, de plantio, localidades importantes culturalmente, etc. Através da formação em Google Terra é esperado que os alunos  possam fazer eles mesmos mapeamentos culturais de suas comunidades e outros diversos mapeamentos possíveis que possam servir para o autoconhecimento das comunidades.

Roberto Lopes, uma das lideranças quilombolas de Rondônia fala aos cursistas sobre a importância da oficina

Cristiane Dourado de Souza, de 25 anos, pertencente do Quilombo Laranjeiras foi uma das jovens que se formou na oficina e se mostrou satisfeita com os aprendizados obtidos:

Esse curso vai ser bom pra mim e pra minha família, a gente vai conhecer a nossa área, vai saber da história dos nossos ancestrais… Eu vou levar este curso como um aprendizado para o meu quilombo para trazer melhorias para ele.

Cristiane Dourado de Souza, jovem quilombola cursista

Estiveram presentes ao longo da oficina representantes da coordenação nacional  da CONAQ que explicarem sobre a parceria entre ECAM e CONAQ no programa Novas Tecnologias. Os coordenadores Ivo Fonseca, Célia Pinto, e José Carlos Galiza, também aproveitaram a oportunidade para repassar e trocar experiências e conhecimentos sobre as políticas públicas nacionais para quilombos com as comunidades quilombolas de Rondônia , além de trazer informações sobre a organização nacional do movimento quilombola  e da CONAQ.

Participou de todo o período da oficina o representante da Google Gonzalo Pallardó, que relatou sobre o surgimento do programa Google Outreach, o Google Solidário, ao qual a oficina Novas Tecnologias se vincula. Gonzalo Pallardó ainda atuou como um dos professores da ferramenta Google Terra.

A ECAM esteve presente com sua equipe técnica formada por Meline Cabral- geógrafa e professora da ferramenta Google Terra; Hebert Lucena, cientista da informação e professor da ferramenta ODK; Arlisson Kleber, responsável pela produção da oficina; Rogério Rodrigues, historiador e responsável pelo contato com a comunidade e Ana Carolina Fernandes, antropóloga e responsável pelo registro áudio visual do encontro.

Cursistas da oficina Novas Tecnologias

Este curso contou com a participação de uma cursista quilombola intercambista, representante de outras turmas formadas pela oficina Novas Tecnologias. Esteve conosco Gleyice Kely Leal, quilombola da comunidade Guajará-Miri, do estado do Pará, compartilhando as experiências dos jovens quilombolas paraenses tanto sobre a parte técnica de conhecimento das ferramentas de pesquisa quanto da prática de aplicação em campo nos territórios quilombolas.

A oficina de Rondônia encerra um ciclo de oficinas de capacitação promovidas pela parceria entre ECAM, CONAQ e Google, com financiamento da USAID-Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, que desde o segundo semestre de 2017 promoveu seis encontros em estados diferentes formando mais de 200 jovens quilombolas.

A próxima etapa do programa Novas Tecnologias é a análise dos dados coletados pelas comunidades participantes e o retorno a estas comunidades para a apresentação das informações. O objetivo é que os quilombolas, de posse elaborada e organizada de informações sobre seus quilombos, possam pensar e executar maneiras de gestão de seus territórios de acordo com os valores, cultura e interesse próprios de suas comunidades quilombolas.

Cursistas da oficina Novas Tecnologias

Confira mais algumas fotos sobre o curso:

*Texto e fotografias: Ana Carolina Fernandes, assessora de comunicação- CONAQ