Os convidados estão chegando

Erico Brás

Recebi ontem a notícia que reforça o que já sabemos quando se trata de estarmos na linha de frente, enquanto país da América Latina, para receber os interesses norte-americanos. Dessa vez, no Maranhão. O que mais me chama a atenção é a subserviência brasileira frente aos EUA, que sempre nos tratou como um povo com o complexo de vira-lata e o pior de tudo é que os brasileiros, partindo de cima para baixo, aceitam isso na boa.

Haja visto que os americanos podem entrar no Brasil sem visto enquanto nós brasileiros para entrarmos nos EUA precisamos passar por uma peneira desgraçada. Só para você ter noção: o valor que se gasta com a emissão de passaporte e visto, envolvendo taxas e taxas, é alto se compararmos a liberdade dos cidadãos americanos para entrar aqui e se divertir gastando o seu dólar hiper valorizado a R$ 4,18 no dia de hoje. Digo isso só para a gente ter noção de onde estamos e para onde estamos caminhando quando se trata de relação Brasil x EUA.

Ampliando a indignação vitalícia, quero chamar atenção para a Base Aeroespacial de Alcântara, no Maranhão. Os americanos gritaram de lá “urgency in this Joça”. Entenderam? Não? Vou meter tradução: “urgência nessa joça”. Entendeu,agora? Não? Vou explicar. 

Recebi de movimentos de todo Brasil esse enunciado que fala dos perigos  da entrada dos EUA na Base de Alcântara, no Maranhão. Eles estão sedentos pelo acesso a ponto de pedirem “urgency in this Joça”.

Leia:

“O acordo que entrega a base aeroespacial de Alcântara  (MA) para domínio norte-americano foi aprovado, em 21/08, na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, da Câmara dos Deputados, sob direção do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ). Nem a maioria dos deputados e nem a população sabem o que está sendo  votado. Exigimos mais tempo e um debate sincero junto à sociedade brasileira.

Está prevista para esta terça, dia 03/09, (ontem) , a votação de um pedido de urgência ao acordo. Se aprovado, sua tramitação não precisará passar pelas Comissões da Câmara e será diretamente analisado pelo plenário, prejudicando todo o debate necessário.

Se o acordo for confirmado, cerca de 800 famílias quilombolas (mais de 2 mil pessoas) deverão ser expulsas de suas terras ancestrais. Não há um plano de remoção ou deslocamento e não se sabe para onde o governo os levará. Não houve consulta prévia às comunidades que serão atingidas, como exige a Convenção 169 da OIT. Os quilombolas decidiram resistir e muito sangue poderá ser derramado. Ao cabo, todo o município de Alcântara será afetado direta ou indiretamente, ou seja, mais de 21 mil pessoas.

Além disso, a entrega da Base de Alcântara fere a soberania nacional e nos coloca sob séria ameaça da segurança nacional, já que sabemos que os EUA querem fazer uso militar de Alcântara, para seus interesses geopolíticos. Com o novo acordo, o Brasil será alvo de conflitos militares internacionais.”

Agora penso eu e reflita comigo. Depois do Governo Brasileiro massacrar o povo que resistirá à barbárie, teremos aqui os americanos tretando com todo mundo diretamente da America Latina, Brasil, Nordeste…Enfim, de dentro de nosso barraco. Se os americanos procurarem treta com algum país vizinho, tipo Venezuela, e lançar daqui do Brasil um ataque quem vai receber a resposta? O Brasil ou Estados Unidos?

 

*TEXTO RETIRADO DO SITE CORREIOS