Exposição “Quilombos de Juazeiro” entra em cartaz na Reitoria da Univasf

A exposição de fotografias “Quilombos de Juazeiro” está em cartaz no hall da Reitoria da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), no Campus Sede, em Petrolina (PE). Produzida coletivamente, a mostra reflete as singularidades e diversidades de oito comunidades quilombolas de Juazeiro (BA): Junco, Alagadiço, Quipá, Rodeadouro, Barrinha do Cambão, Barrinha da Conceição, Pau Preto e Curral Novo. O trabalho resulta de um projeto de pesquisa coordenado pela professora da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) Márcia Guena. A visitação é gratuita e aberta ao público, das 8h às 18h, até 14 de maio.

Ao todo são 34 fotografias, assinadas por bolsistas e colaboradores do projeto “Perfil fotoetnográfico das Populações Quilombolas do Submédio São Francisco: Identidades em movimento”. Aspectos importantes como a cultura local, a relação entre os moradores e figuras importantes para a história dessas comunidades estão retratadas nas imagens.

Márcia Guena destaca que o trabalho realizado pelo projeto contribuiu para a conquista da certificação quilombola da comunidade Alagadiço, primeira de Juazeiro a receber o título. “Em trabalho conjunto com a Fundação Palmares, desenvolvemos palestras e atividades que tinham como objetivo resgatar a identidade dessa população e, dessa maneira, incentivar a comunidade a buscar seus direitos enquanto quilombolas”, explica.

A exposição é promovida pela Diretoria de Arte, Cultura e Ações Comunitárias (DACC), da Pró-Reitoria de Extensão (Proex) da Univasf, em parceria com a Uneb e integra a programação do Fórum Social Mundial, que está sendo realizado em Salvador (BA) até o dia 17 de março. Segundo Edson Macalini, diretor da DACC, essa articulação entre instituições é importante para a interiorização de ações sociais e culturais. “Além de socializar saberes realizados por meio de projetos de extensão, essa exposição é um exemplo de que há, sim, êxito nas ações promovidas pela universidade e suas respectivas parcerias dentro e fora do espaço universitário”, analisa.

 

Por Mayane Santos